segunda-feira, 24 de março de 2008

Tide Hellmeister


Os rabiscos caligráficos de frases vazias, as repetições persistentes deste nada dizer são - paradoxalmente - o recado do artista. No não-dito está dito que ele está envolvido inteiramente no seu fazer: corpo, mãos, olfato. Tudo. E fica assim, o não-dito pelo dito. É seu jeito de não se acomodar e de incomodar nosso olhar. Há críticos que acham que esse não-dito pode ser tipo isso ou aquilo, tipo ilógico, ilegível. Mas é simplesmente tipo gráfico.
Claudio Ferlauto
(O tipo da gráfica, Rosari edições)

Um comentário:

NIVALDO F. MONTEIRO disse...

Tide Hellmeister,grande figura.
Que bom ter te encontrado- só a
tecnologia nos proporcion isso.
Precisamos nos ver e relembrar velhos tempos - Massao Ohno-RCA
Discos,etc-Moro em S.José dos Campos-vamos agitar algum projeto
culktural aqui no Vale.vamos manter contato- NIvaldo .
email; nivaldofmonteiro@hotmail.com