terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Rico Lins


cartazes para a orquestra Jazz Sinfônica

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Cildo Meireles

Camelô, 1998
Objeto em madeira, alfinetes, barbatanas, borracha e motor
30 x 40 cm


Em 1990 queria fazer um trabalho que tivesse um milhão de unidades, do qual só tinha o título Um Milhão. Mais tarde, lembrei-me de uma imagem de três camelôs que vi quando criança, numa das vindas com meu pai do Rio de Janeiro, na calçada da rua Araújo Porto Alegre entre avenida Rio Branco e rua Mexico. Cada camelô tinha uma pequena banquinha, coberta de papel de embrulho colorido. Um vendia só alfinetes de cabeça, outro só barbatanas de plástico para colarinho de camisa social. São as coisas mais toscas em termos de produtos industriais. Na minha cabeça de criança, achava incompreensível, e ao mesmo tempo atraente e estranho, que alguém pudesse viver vendendo esses objetos tão insignificantes. Mais que isso, me perguntava como poderiam existir indústrias empenhadas na produção desses objetos. O terceiro camelô vendia marionetes de papel e borracha, que ele manipulava com uma linha no braço. Eu achava aquilo mágico. Em 1995, decidi juntar essas três imagens, que resultaram no Camelô. Para ele, criei a palavra humiliminimalismo, o minimalismo do muito humilde, da quase insignificância física.

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Kiko Farkas



cartazes para a Orquestra Sinfônica de São Paulo

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Laura Huzak Andreato

  
Califórnia
folder impresso pela Califórnia Artes Gráficas
tiragem de 2500 exemplares
2009

https://laurahuzakandreato.wordpress.com/multiplos/

Douglas Huebler

O que digo faz parte da obra de arte. Não espero dos críticos que digam coisas sobre meu trabalho. Sou eu quem digo a eles do que se trata (Novembro de 1968)

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Tipos Malditos

tipos laicos, castiços, intuitivos, leigos, nativos, autênticos, tontos, rústicos, improvisados, rudes, toscos, pitorescos, precários, vulgares.

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Marcel Broodthaers


This is not a work of art


Musée d’art moderne, Département des aigles, Section XIX siècle. (Museum of Modern Art, Eagle Department)



This is actually a fictional institution, a monumental work of conceptual art in itself - at the time it opened (1968), Brussels had no Museum of Modern Art. (And this endeavor was a jab at the lack as well.)
His “museum” was open from 1968–1972, in various locations; 1969 in Antwerp, 1970–1972 Düsseldorf and the second half of 1972 in Kassel, with new sections at each opening - “Section XVII”, “The Cinematic Section”, “The Section of Figures”. The Department of Eagles opened in 1968, and was filled with…all sorts of stuff, featuring eagles - sculptures, stuffed specimens, lighters, buttons, picture books…and before every display case was stuck the label “Ceci n’est pas une oeuvre d’art” - This is not a work of art.



In 1972 Marcel Broodthaers exhibited Musée d'Art Moderne, Département des Aigles, Section des Figures (Der Adler vom Oligozan bis Heute). This installation housed over 300 representations of eagles from art history and popular culture classified in a pseudo-museological manner—undermining both the mythology of the eagle and the power of the museum. The artifacts were accompanied by numbered labels declaring, "This is not a work of art," in English, French, and German.

 




quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Pentagram Papers II








face to face

Fabio Morais e Marilá Dardot


Lá em Casa (Rayuela)
Tapete de nylon 10mm
285 x 190 cm
3 exemplares




obras da série Lá em Casa na Bienal de São Paulo

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Garrafas




Roger Chartier

O filósofo Pitágoras

 O retrato é a primeira forma manifesta da presença do autor no livro. Tais representações do autor exibido em sua atividade de escrever, em miniaturas do fim do séc XIV ao XV. 
“Uma tal imagem rompe com as antigas convenções de representação da escrita, tanto a que identifica a escuta de um texto ditado e copiado (por exemplo, na iconografia tradicional dos evangelistas e dos pais da Igreja, retratados como escribas da palavra divina) quanto aquela que a pensa como simples continuação de uma obra já existente (como no caso da prática escolástica da glosa e do comentário)". (Roger Chartier, 1994, p. 53).