segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

Pierre Alechinsky

O pintor Alechinsky comprava papéis antigos (títulos vencidos, certidões, etc) e fazia desenhos em cima, como neste exemplo. É este tipo de trabalho que M. Butor comenta no ensaio "As palavras na pintura".

O escritor mexicano Carlos Fuentes conta que, no inverno de 1967, reunidos no apartamento de Joyce Mansour em Paris, Alechinsky propôs titular uma série de desenhos de acordo com o impulso, a obsessão, a fantasia, a distância ou a reflexão dos ali reunidos: Julio Cortázar, Ítalo Calvino, Michel Butor, Eugène Ionesco, Alain Jouffroy, Alberto Gironella, Carlos Fuentes e o próprio Alechinsky, que dava as costas a seus quadros. Anos depois, ao olhar os desenhos que Alechinsky fez sobre velhos títulos - certidões, testamentos, hipotecas, recibos e títulos de propriedade - é o próprio Fuentes quem percebe, não sem algum desapontamento, que os títulos não serviram como indicações ou orientações de leitura para os quadros, os “títulos” se tornaram apenas títulos de Pierre Alechinsky.


2 comentários:

jabuhrer disse...

Amir.
Muito interessante este post, mas onde está publicado este ensaio?
joão antonio

amir brito cadôr disse...

Oi João,

eu traduzi o texto, mas não foi publicado ainda.
estou colocando trechos neste blog, aos poucos.
um abraço