sexta-feira, 29 de maio de 2009

Eugenio Carmi



Stripsody
Roma, Arco D´Alibert, 1966
29 x 20,2 cm, 18 p.
Kiko Galleries, Houston, TX / Arco D'Alibert Edizioni D'Arte, Rome, Italy

As onomatopéias aparecem em quase todas as páginas do livro.

Copertina e pagine in cartoncino rigido, legatura editoriale in mezza tela; pagine non numerate (18) illustrate a colori; due tasche verdi applicate, la prima alla seconda pagina di copertina, all’interno un foglio sciolto piegato in due con un divertente Glossario, per interpretare i suoni delle pagine: "ARF ARF nel cane esprime amicizia, gioia e anche trafelazione. A volte si accompagna a goccie di saliva" ; altra tasca alla terza pagina di copertina con disco in vinile 33 giri, Stripsody (Comics Opera) composed and performed by Cathy Berberian for Eugenio Carmi’s book. Un piccolo foglio sciolto accompagna il disco, "Stripsody fu scritta nel marzo 1966 ed eseguita a Brema per la prima volta in maggio in occasione del festival di musica contemporanea alla radio di Brema". Una seconda edizione uscì nel ‘67, Cfr.: R. Jentsch, The Artist and the book., Torino 1992, pp. 68-69.


quinta-feira, 28 de maio de 2009

Allan Kaprow


Allan Kaprow: Words, Installation, Smolin Gallery, New York 1962
(Fotos: Robert Mc Elroy/Licensed by VAGA, New York)


Uma colagem que tomou conta do espaço e ganhou o nome de environment/ambiente. Em alguns ambientes, Kaprow colocava espelhos para que as pessoas participassem da obra. Até que a presença de pessoas passou a fazer parte da obra, com o nome happening.

Valdés Leal


Últimos Instantes
"Em uma das telas chamada Postrimetrias (Últimos Instantes), que ornam a capela mortuária de Miguel Manara na igreja do hospital de caridade de Sevilha, supremo desenvolvimento do tema da Vanitas, Valdés Leal escreveu na bandeirola rompante o “finis gloriae mundi”, e sobre os dois pratos da balança fatal “nimas” (nem mais) sob os emblemas dos sete pecados capitais, “nimenos” (nem menos) sob os devocionais. No meio de cada grupo simbólico, um coração, o da esquerda com asas satânicas, o outro com o monograma “IHS”.

fragmento de Michel Butor, As palavras na pintura.

terça-feira, 26 de maio de 2009

Francis Picabia


Capa desenhada por Francis Picabia para a revista surrealista Litératures. O texto pode ser lido como "camas e rasuras" em francês.

domingo, 24 de maio de 2009

Capas de Livros

Alan Fletcher. Beware Wet Paint

Evan Gaffney

David Drummond

David Drummond


Capa de Ed Fella para o livro de Steven Heller, The Education of a Typographer

sábado, 23 de maio de 2009

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Joseph Kosuth

Self-Portrait in a Fur-Collared Robe, 1500
Oil on lime panel, 67,1 x 48,7 cm
Alte Pinakothek, Munich

Neste auto-retrato, o artista alemão Albrecht Dürer faz uma tríplice representação de si mesmo: à esquerda, o monograma formado pelas iniciais A e D e o ano de realização. No centro, a representação visual, e no outro lado, uma inscrição em latim, que diz algo como "Assim eu, Albrecht Dürer de Nuremberg, pintei a mim mesmo com cores indeléveis, com a idade de 28 anos". As obras de Joseph Kosuth guardam uma semelhança estrutural com esta pintura, a definição do objeto representado continua do lado direito.

Uma e três cadeiras, 1965

Uma e três cadeiras, 1965

Esta outra, apesar de ter o mesmo nome da anterior, apresenta outra cadeira, e a definição da palavra cadeira no dicionário de inglês é substituída pela definição fornecida por um dicionário bilíngüe, inglês/francês.

Fabio Morais


Oferenda a Iemanjá para um Feliz Ano Novo, 2007
Atlas cortado, 17cm x 11cm (livro fechado)

terça-feira, 19 de maio de 2009

Matt Mullican & Lawrence Weiner


In the crack of the dawn
Bruxelles, Yves Gevaert, 1991
100 ex. 26 x 17,5 cm, 28 p.

Wosene


color of words
escrita copta, do norte da África.

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Rui Moreira Leite

"Boa relação com os cavalos"


Texto: Vladimir Maiakóvski, 1918
Projeto Gráfico: El Lissitski, 1923
Tradução do texto russo: Boris Schnaidermann
Recriação do texto: Nelson Ascher
Recriação do projeto gráfico: Rui Moreira Leite, 1981

Este trabalho foi publicado no Folhetim da Folha de S. Paulo no. 533, p. 12 de 24 de abril de 1987. Saiu também na revista Artéria, nº 5 (1991), editada pelo Omar Khouri e Paulo Miranda, da Nomuque Edições.
(grato ao Rui que forneceu estas informações)

O poema de Maiakóvski:


sábado, 16 de maio de 2009

Post Typography

Cartaz para a AIGA, 2007

Este escritório, formado pela dupla Nolen Strals e Bruce Willen, surgiu em 2001 como um movimento anti-design. Post Typography, de acordo com o site, são especialistas em design gráfico, tipografia conceitual e lettering/ilustração personalizados, com incursões em artes visuais, vestuário, música, curadoria, teoria do design e vandalismo.


Este cartaz para um show da mais barulhenta banda punk japonesa, Guitar Wolf, parece a bandeira do Japão, com os nomes dos membros escritos em um estilo que lembra a assinatura em selos de madeira. Quando a luz está apagada, a tinta que brilha no escuro destaca uma colagem de várias cenas do imaginário rock and roll, refletindo a música e o estilo da banda.

Mariana Martins

Diploma Falso, 2009

Um dos trabalhos que está na exposição Caligrafia, na Choque Cultural, até dia 27/6. O texto abaixo é da galeria.
A exposição Caligrafia é um tributo da Choque Cultural a todas as letras de todas as línguas impressas, manuscritas, desenhadas, pintadas, esculpidas, fotografadas, clássicas, modernas, contemporâneas, populares, eruditas ou experimentais. Reunindo cerca de 40 artistas do mundo todo, a mostra tem lugar de 02 de Maio a 27 de Junho de 2009. A letra é um assunto que desperta o nosso interesse e que está intimamente ligado à história da galeria, conta Baixo Ribeiro, sócio-proprietário da Choque Cultural. A caligrafia está no DNA da arte urbana, da tatuagem, da ilustração, dos quadrinhos e do design gráfico, todos os ambientes conhecidos pelos artistas representados pela galeria. O curador e sócio-proprietário, Eduardo Saretta optou por uma seleção de artistas conhecidos pela sua ligação com a caligrafia, convidando representantes do mundo todo para formar um time surpreendente de talentos de várias idades, estilos e propostas estéticas. Caligrafia é uma exposição que conta com obras de artistas internacionais, como é o caso de Chaz Bojorquez, americano de 60 anos que é um dos mais antigos grafiteiros em atividade. Ele, praticamente, inventou um tipo de letra muito usado em gangs, o `Cholo`, ícone de toda cultura underground de Los Angeles desde a década de 60. O alemão Loomit traz ao Brasil o seu estilo tridimensional, em que a técnica da perspectiva é aplicada à caligrafia do grafitti, manifestação que lhe foi introduzida no início dos anos 80. Quando questionado, Loomit costuma afirmar que seus grafittis prediletos estão nos trens brasileiros. Para citar outros nomes desta exposição, Atsuo, do Japão, que trabalha em uma fábrica de manequins e mescla resina, glitter e tinta fluorescente, merece nota. Point é tcheco e transforma graffiti em esculturas públicas. Já o americano KR, conhecido pela marca KRink, flerta com a moda e ainda produz tintas e outros materiais para artistas urbanos. A edição das obras da exposição Caligrafia privilegiou a diversidade de suportes, processos criativos e técnicas. A programação conta com pinturas em diferentes formatos, desenhos, gravuras, fotografias, instalações, intervenções urbanas e tatuagem.




quinta-feira, 14 de maio de 2009

Antoni Tápies

As letras foram feitas em um pedaço de papelão, neste cartaz de 1977.





Cartazes retirados do livro "Los Carteles de Tápies". Ele utiliza a litografia na maioria dos cartazes, mas neste acima ele utilizou uma cartela de letraset junto com a lito.

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Robert Barry



Todas as coisas que conheço, mas nas quais não estou
pensando neste momento; 13:36, 15 de junho de 1969
, New York.

Robert Barry, considered one of the founding fathers of the American Conceptual Art movement, was born in New York City in 1936 and completed his B.F.A., M.A. at Hunter College, The City University of New York. His work has been included in epoch-making exhibitions such as When Attitudes Become Form… at the Kunsthalle Bern and The Institute of Contemporary Art, London (1969) and Documenta V (1972). Since then, he has shown in innumerable important exhibitions all over the world including the landmark show, Reconsidering the Object of Art at LA MoCA (1995). From the early 1970s, Barry has been the subject of various solo shows at important venues



Art & Project Bulletin # 37

terça-feira, 12 de maio de 2009

Lucas Samaras


Book, 1968
Illustrated book with eleven die-cut screenprints with collage additions, page (irreg., each): 10 1/16 x 10" (25.5 x 25.4 cm); overall (irreg.): 10 1/16 x 10 x 2 3/16" (25.5 x 25.4 x 5.5 cm). Publisher: Pace Editions, New York. Printer: Colorcraft, New York. Edition: 100.

Este livro do artista americano Lucas Samaras (nascido na Grécia, 1936) faz parte do acervo do Moma. Em 2008, o livro participou de uma exposição chamada book/////shelf, que teve como tema obras em forma de livro. A exposição reuniu obras de Marcel Duchamp, Dieter Roth, Richard Artschwager, entre outros.

sábado, 9 de maio de 2009

Katsumi Komagata


Blue


Little Tree




Clouds

Este designer japonês começou a fazer livros quando sua filha era pequena. Ele utiliza papéis especiais, com texturas e cores que tornam os livros irresistíveis. Todos os trabalhos utilizam recortes nas folhas. O primeiro, acima, conta a história de um salmão. O livro do meio mostra uma árvore ao longo do ano. São muito caros, mas podem ser comprados aqui: http://www.formandcolours.com/ . Este outro site vende livros infantis, tem algumas imagens dos livros do Katsumi: http://www.enfantterribleshop.com/home.php
PS: encontrei mais informações em um ótimo blog sobre livro infantil, descobri até que existe uma Pós-Graduação em Livro Infantil (em Portugal).


A la découverte de Katsumi Komagata from Médiathèque CCRY on Vimeo.

quinta-feira, 7 de maio de 2009

Adão

Uma narrativa visual do livro "Gênesis", mostrando desde a criação de Adão e Eva até o Paraíso Perdido.

terça-feira, 5 de maio de 2009

Hittensperger

Caligrafia do período barroco alemão

Labirinto, início do século XVII, de I.C. Hittensperger. O tema deste labirinto é a Sabedoria de Deus, que previu quantos grãos de areia tem no mar, quantas gotas tem a chuva, quantos dias tem o mundo. Deus sabe tudo: a largura e a profundidade da Terra, a altura do céu... (cf. Jérome Peignot, Du Calligramme)

sábado, 2 de maio de 2009

Lenir de Miranda



Passaporte de Ulisses, 2003
200 x 13,50 cm, 44 págs
"Em Joyce, Ulisses, as palavras tramam miríades de significados e imagens multidimensionais, as quais me conduzem no aparecimento da pintura, das páginas e de possíveis outras palavras.
As palavras, em Joyce, abarcam um espaço/tempo de total plasticidade, um cubismo, que nos toma de surpresa não-linear, num caos fértil, a partir do qual visitamos mundos em infinitas expansões em nossa mente.

Somos Ulisses, cada qual em sua nave, seus sinais, com os quais retorna em seu auto-conhecimento, através de seus pensamentos, sua linguagem, suas interpretações. "
Lenir de Miranda, agosto de 2002.

Este livro pode ser adquirido diretamente com a autora, no site http://lenirdemiranda.com